A história da Pitorro começa em 1850, quando os antecessores de António Raimundo Pitorro iniciaram as suas atividades de moagem e transformação de cereais. Mais de 150 anos depois, a Pitorro afirma-se como uma das líderes neste sector de atividade. António Guedes, atual administrador, explica quais as características da gama de produtos da empresa e revela quais as perspetivas para o futuro.

Quais as características do ribatejo que favorecem a produção de cereais de qualidade, nomeadamente trigo, milho e centeio?

O Ribatejo não é propriamente um bom produtor de trigo e centeio, aliás hoje em dia Portugal é um fraco produtor de trigos com qualidade panificável. Relativamente ao milho, embora se produza pouco, é no Ribatejo que encontramos maior produção, principalmente de milho Não-OGM (geneticamente modificado) e que se deve a alguns dos nossos agricultores terem resistido (ainda) à produção de milho com grandes produções por hectare com OGM, mantendo uma certa qualidade de milho para a produção de gritz para as nossas cervejeiras. O Ribatejo tem um clima e muito campo plano que se enquadra bem na produção deste cereal.

Como caracteriza as gamas produzidas pela Pitorro?

As gamas de farinha produzidas pela Pitorro, enquadram-se dentro das melhores farinhas que se produzem em Portugal, nomeadamente as farinhas para panificação e pastelaria, nos pacotes de um quilo para consumo doméstico e na produção de gritz para as cervejeiras e farinhas de milho amarelo e branco.

De que forma é que a Pitorro tem contribuído para a afirmação nacional e internacional da indústria dos cereais e moagem do ribatejo?

A Pitorro, ao longo de todos estes anos, tem vindo a investir, a modernizar-se nas suas linhas de produção (trigo e milho) sempre com uma grande seriedade e franqueza para com os seus clientes. Para isso obteve os certificados de qualidade ISO 9001 e BRC que comprovam e atestam que a empresa Pitorro é e será sempre uma empresa de futuro para satisfazer todos os seus clientes com farinhas controladas e dentro de todas as regras e parâmetros europeus. O seu aumento de vendas na exportação também comprova que as farinhas Pitorro são conhecidas tanto no mercado nacional como internacional.

Quais as perspetivas futuras para o crescimento da Pitorro?

As perspetivas futuras da Pitorro passam por continuar a fazer e a progredir no trabalho que tem vindo a ser feito até aqui, indo-se reestruturando e adaptando às novas exigências do mercado, com produtos novos de qualidade. Queremos também crescer tanto no mercado nacional como internacional.

Leia a entrevista na íntegra na compra da edição nº6.