As compotas, geleias e marmeladas da No Ponto Certo derretem a alma e aconchegam o estômago. Da forma mais artesanal possível, seguindo as receitas da avó e da mãe, Sara Silva cria produtos com frutas da época de cultivo próprio, o que garante a elevada qualidade. A marca prima também pelo cuidado com a imagem.

É na Quinta da Suenga, em Santa Maria da Feira, que nascem as compotas, geleias e marmeladas da No Ponto Certo, pelas mãos de Sara Silva. É nesta quinta com pouco mais de um hectare de área, que foi passando de geração em geração, que se encontra um conjunto de árvores de fruto que produzem o suficiente para consumo doméstico. Face ao excedente e à necessidade de ocupar o tempo em situação de desemprego, em 2014, Sara optou por “recuperar as receitas de compotas tradicionais” da avó, “seguindo os métodos tradicionais, sem máquinas nem robots, apenas com as mãos, frutas e muita paciência e horas ao lume”, para criar compotas com sabor tradicional.

“Como sempre ouvi dizer “tem de estar no ponto a marmelada”, foi fácil chegar ao nome da marca”, explica a empreendedora, que faz compotas, marmeladas e geleias com fruta 100 por cento biológica e açúcar, sem corantes nem conservantes. Os doces são feitos com fruta da época, sendo que Sara garante que não trabalha com produtos congelados nem de compra. “Por isso, todos os sabores são de edição limitada e exclusivos”, conclui.

Da No Ponto Certo pode comprar compotas – de abóbora, cereja, fisális, maçã, pera, mirtilo ou morango – e marmelada de marmelo, mas também licores feitos a partir de fruta e aguardente, chás colhidos das plantas e secos de forma artesanal, especiarias e ervas aromáticas e, mais recentemente, granola feita a partir do mel, noz e amêndoa produzidos na quinta.

Manter a qualidade e levar o nome da marca a todo o país são os principais objetivos a médio prazo, mantendo a participação em mercados de rua, em particular na cidade do Porto e em Braga.