O Museu Judaico de Belmonte é o primeiro museu em Portugal dedicado a esta temática, retratando a longa história da comunidade judaica que se implementou na região e que resistiu a séculos de perseguição religiosa. No museu são expostas mais de uma centena de peças.

Reconhecida oficialmente em 1989, a comunidade judaica de Belmonte congrega os judeus de Belmonte e arredores. Define-se como a única comunidade peninsular herdeira legítima da antiga presença histórica dos judeus sefarditas. Esta comunidade resistiu, durante séculos, aos éditos de expulsão dos reis católicos, ao decreto de expulsão ou conversão de D. Manuel I, ao olhar vigilante da Santa Inquisição e às penas do seu tribunal. Para retratar a longa história desta comunidade, em abril de 2005, foi inaugurado o primeiro Museu Judaico em Portugal, em Belmonte.

De forma a revelar a história dos judeus no nosso país, a sua integração na sociedade portuguesa e o seu valioso contributo na cultura, arte, literatura e comércio, o Museu Judaico de Belmonte expõe mais de uma centena de peças religiosas, do dia-a-dia e de uso profissional utilizadas por famílias hebraicas, especialmente da Beira Interior e Trás-os-Montes. O espaço está organizado de acordo com três pisos. No primeiro existe um átrio, a loja do museu e um auditório; no segundo está a exposição permanente e no terceiro estão as exposições temporárias e o Centro de Estudos.

Aberto de terça-feira a domingo e com um custo de entrada de 2,5 euros, o Museu Judaico de Belmonte registou em 2015 um total de 20560 visitas, um aumento relativamente a 2014. A maioria dos visitantes era oriunda de Portugal, seguindo-se os de Israel e Espanha, sendo que também houve turistas dos Estados Unidos, Brasil, França, Austrália, Holanda, Roménia, Filipinas, Tailândia, entre outros. Até ao final de agosto deste ano, o número de visitas foi de 15583

Brevemente, o Museu Judaico de Belmonte vai sofrer obras de remodelação e renovação de conteúdos, num investimento global de 300 mil euros. Depois de renovado, o museu irá permitir ao visitante fazer um percurso em que fica a conhecer as diferentes fases da história do judaísmo, tendo como base as memórias, saberes e vivências da comunidade judaica de Belmonte. A obra ficará concluída até 26 de abril de 2017.