InovCluster

A InovCluster – Associação do Cluster Agro-Industrial do Centro promove a dinamização do sector agro-industrial. Cláudia Domingues Soares, diretora da InovCluster, garante que o sector têm fortes potencialidades.

Quais as potencialidades do sector agroalimentar português ao nível da inovação?

Estamos na presença de um sector repleto de especificidades, caracterizado na sua maior parte por pequenas e médias empresas e com um enorme potencial ao nível da inovação de produtos, processos ou serviços. Este potencial é ainda maior quando pensamos no sector agroalimentar de forma integrada. Importa aqui referir a pertinência de juntar ao sector agroalimentar a dinâmica de outras áreas complementares, como os materiais, as tecnologias de produção, o marketing ou as embalagens. Com base nesta polinização cruzada entre sectores, além de incentivarmos o modelo de economia circular, temos produtos inovadores, diferenciadores e de maior valor acrescentado. Importa igualmente referir que estamos perante consumidores cada vez mais atentos e despertos para experimentar novos produtos, o que posiciona a inovação num patamar privilegiado. Atendendo à relação existente entre a competitividade das empresas e a sua capacidade de inovação, acrescida da dimensão normalmente associada a pequenas estruturas de recursos humanos, considero estratégico o seu envolvimento em estruturas em rede como o Inovcluster e o CATAA – Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar.

De que forma é que os produtos agroalimentares portugueses podem ser uma mais-valia em termos nacionais e internacionais?

Não nos é possível pensar nos produtos agroalimentares portugueses sem associar palavras como qualidade, autenticidade e diferenciação. E é com base nessa qualidade, quer da matéria -prima, quer do produto final, que os produtos agroalimentares se perfilam capazes de ultrapassar a falta de escala e o custo que têm associado. A nível nacional, destaco a confiança dos consumidores nos produtos agroalimentares portugueses. A nível internacional, as várias ações de internacionalização em que temos participado/organizado mostram-nos a enorme recetividade que os consumidores têm em relação aos produtos portugueses, nomeadamente aos vinhos, queijos, enchidos, mel e azeite.

Quais os principais projetos em desenvolvimento que destaca?

A Inovcluster continua a apostar em quatro áreas estratégicas: alimentos seguros e saudáveis, produtos gourmet e de elevado valor acrescentado, embalagens inovadoras e sustentabilidade (eficiência dos processos produtivos e valorização dos subprodutos), assentes em atividades de cooperação, internacionalização e inovação. Neste sentido, disponibiliza para as empresas dois projetos conjuntos, apoiados no âmbito do Portugal 2020, um na área de internacionalização e outro na qualificação no âmbito da inovação e economia digital. Acrescem ao projetos anteriores, dois outros projetos apoiados no âmbito do SIAC (Sistema de Incentivos a Ações Coletivas) com ações de internacionalização do sector agroalimentar português. Falamos num investimento de cerca de 2,5 milhões de euros. De referir ainda um projeto na área da embalagem com vários clusters congéneres europeus e a dinamização de uma área de intervenção estratégica para as empresas do cluster e do país, a 4ª Revolução Industrial, a Indústria 4.0.