iellow

Português, 100 por cento natural, fácil e prático de utilizar. Estas são as características que definem o mel da iellow, que, além de ser uma alternativa ao açúcar, tem a vantagem de estar disponível em pequenos pacotes. Criada por Maria Tereza Azóia, a iellow já exporta para a Alemanha.

Aos 31 anos, Maria Teresa Azóia, decidida a implementar uma área de apicultura na exploração agrícola da família, na zona do Ribatejo, inscreveu-se no curso de Tecnologias de Produção Integrada em Hortícolas. Na disciplina de marketing, a empresária desenvolveu a ideia de comercializar mel em unidoses, servidas em embalagens inovadoras. Mais tarde, a iniciativa foi desenvolvida no Laboratório de Ideias que a Escola Agrária de Santarém criou para potenciar projetos empresariais.

À primeira vista, a embalagem parece um pacote de açúcar que se pode utilizar para adoçar leite ou chá, mas no seu interior está um produto produzido no Ribatejo, 100 por cento português. O facto de as embalagens serem pequenas, práticas e transportáveis facilita o consumo, uma vez que basta dobrar a saqueta e o mel sai sem sujar.

O mel da iellow, à venda desde 2015, está disponível em várias mercearias e lojas gourmet de norte a sul do país, em embalagens com 25 saquetas de cinco ou 15 gramas que custam quatro e oito euros, respetivamente.