EUROAAA: CCDR ALGARVE

Em entrevista, o Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve), Francisco Serra, que preside atualmente à Eurorregião Alentejo, Algarve e Andaluzia (EUROAAA), partilha a sua visão sobre os desafios que se colocam à competitividade do território transfronteiriço.

De que forma é que a CCDR Algarve complementa e potencializa o trabalho das autarquias no desenvolvimento regional?

A CCDR Algarve possui competências muito precisas no quadro regional, nomeadamente ao nível do desenvolvimento
regional, do ambiente, do ordenamento do território e no apoio às autarquias locais. De igual forma, não se substituindo a outras entidades, promove liderança, ainda que informal, noutras temáticas e desafios societais que importam para a sustentabilidade e competitividade regional, junto, quer das autarquias locais, quer de outros agentes que integram a hélice quádrupla da região. As autarquias, dada a sua proximidade e ligação intrínseca ao território, possuem um alargado quadro de competências, que expressam de forma territorializada as políticas que incidem na vida das pessoas, das empresas e dos territórios, requerendo, algumas delas, um trabalho concertado com a CCDR, mas também com a autoridade de gestão do Programa Operacional Regional do Algarve, que sediamos, e que tem contribuído, em larga escala, para promover a coesão territorial e o desenvolvimento regional.

Que Relações Internacionais desenvolveu a CCDR para uma maior cooperação inter-regional e de que forma é que esses fatores têm enriquecido o território?

A CCDR Algarve sempre demonstrou grande interesse pelas relações internacionais, quer a nível da integração nas estruturas europeias, quer ainda a nível da participação em projetos de cooperação inter-regional. Foi membro da CRPM -Conferência das Regiões Periféricas Marítimas, tendo participado de forma ativa, em duas das suas seis Comissões: a Comissão do Espaço Atlântico e a Comissão Intermediterrânica. Relativamente à Comissão Intermediterrânica, integrou uma das Vice-presidências do Bureau Político e também assumiu a Presidência. A integração da Região nestas duas Comissões revestiu-se de grande interesse, quer pelo acompanhamento e pro-implementou-se uma nova fórmula de cooperação, proporcionando uma maior qualidade de vida às populações residentes, através do aproveitamento dos recursos comuns, passando ainda pela utilização conjunta dos equipamentos desportivos e culturais destes municípios.

Leia a entrevista completa na compra da 15ª edição da Portugal de Sabores.