Há décadas que a identidade e as vivências das gentes da Murtosa estão conectadas à indústria da conserva de enguias. Esta tradição de preparar e comercializar este peixe da ria remonta ao início do século passado e continua a marcar várias gerações. Este marco na história da Murtosa está desde 2015 patente na COMUR – Museu Municipal da Murtosa, que nasceu da recuperação das antigas instalações da fábrica de conservas que tinha o mesmo nome.

Num investimento de 1,3 milhões de euros, o executivo municipal apostou na aquisição e recuperação das instalações e na criação de um espaço de memória e história do povo. Neste museu, que se distingue pelo facto de ser o único dedicado às conservas de enguia, os visitantes podem conhecer a história da fábrica e da comunidade e o desenvolvimento do processo conserveiro através de conteúdos interativos. Aprende-se ainda como as características específicas da Murtosa e da Ria de Aveiro deram origem à unidade fabril, como trabalhavam os seus operários e o processo completo de produção de conservas desde a chegada do peixe até à expedição das conservas.

A COMUR – Fábrica das Enguias foi inaugurada em 1942, na Vila da Murtosa, com o propósito de fabricar enguias em molho de escabeche, um produto típico da região. Atualmente, 80 por cento da produção é exportada para a Europa e EUA.