Agregar a história da alimentação local e constituir-se como um fator de promoção e divulgação dos produtos da região e da restauração em particular são os principais objetivos do livro “Carta Gastronómica da Região de Lafões”, da responsabilidade da Confraria dos Gastrónomos de Lafões.

A elaboração da carta gastronómica era um objetivo antigo da Confraria, que celebra 20 anos de atividade consecutiva. As receitas publicadas foram recolhidas junto de diversas fontes e resultam de três anos de investigação. “Esta Carta não pretende apresentar-se, simplesmente, como um livro de receitas, nem, fundamentalmente, como uma recolha exaustiva da incomensurável riqueza gastronómica da região. Pretende constituir-se como um contributo para a preservação e divulgação de um património cultural comum”, explica a Confraria.

No livro consta a seleção dos pratos mais tradicionais da região de Lafões, desde sopa de castanhas ou sopa seca de Alcofra, passando pelo pão, papas de milho e diversos pratos de caça (como coelho e perdiz). Os pratos e produtos certificados ocupam um lugar de relevo, designadamente a Vitela de Lafões e o Cabrito da Gralheira. Nos peixes, o destaque é o bacalhau, o polvo, a sardinha e o peixe do rio. Nesta obra, que está à venda em Vouzela, Oliveira de Frades e São Pedro do Sul, há espaço para a doçaria local, nomeadamente os pastéis de Vouzela, a aletria, o pão-de-ló, o folar de Vouzela, as queijadinhas, as cavacas e os doces de feira, como os caladinhos, os beijinhos e os bolos de gema. A nível da viticultura, há a referir o vinho de Lafões, que foi objeto de legislação especial relativamente à sua delimitação geográfica.