Surgiu em Vila Nova de Famalicão e tem como objetivo valorizar a castanha do concelho de Vinhais, nomeadamente da aldeia de Moimenta. A Amálgama representa a crença de Sílvia Santos e André Barbosa na “qualidade e riqueza das castanhas transmontanas e no seu potencial”. O jovem casal famalicense, cujas formações estão ligadas à Psicologia e ao Desporto, desenvolveu a sua própria ideia de negócio aproveitando o facto de na família existirem vários soutos na aldeia de Moimenta.

Com o apoio do gabinete de empreendedorismo da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão (Made In), Sílvia e André apostaram numa matéria-prima que se distingue por ser nutricionalmente rica, fonte de fibra, vitaminas e sais minerais e isenta de glúten, sendo por isso recomendável para doentes celíacos. Rapidamente perceberam que apesar da elevada produção de castanha na região, não existiam produtos transformados com este fruto e assim surgiu a farinha de castanha Amálgama. Recorrendo a mão-de-obra humana em todas as fases do processo, o que permite a preservação do sabor e evita o risco de contaminação cruzada, a farinha de castanha Amálgama preserva o sabor original da castanha e tem uma textura extrafina e delicada. Da utilização de farinha de castanha decorrem vários benefícios: tem uma validade extensa, é totalmente isenta de glúten, não tem aditivos ou conservantes, tem um baixo teor de ácidos gordos, um teor moderado de proteínas e um alto conteúdo de hidratos de carbono complexos, ou seja, de absorção lenta, explica a Amálgama. Esta farinha pode ser utilizada em pães, bolos, bolachas, molhos, crepes, sopas, puré e tantas outras receitas.

A empresa está constantemente em busca de sinergias que permitam a evolução e a sensibilização da população para o consumo de farinha de castanha. Por isso, têm já uma parceria para a produção de cerveja artesanal de castanha, mas também a criação de novos produtos que aproveitem toda a castanha, da casca ao seu interior, equacionando até a utilização das folhas.